Arritmia Cardíaca

Icon Marco Paulo 65x62O que é?

As arritmias podem se originar na parte superior (átrios ou supraventriculares) ou inferior do coração (ventrículos). Dentre as arritmias supraventriculares destacam-se as extra-sístoles atriais; as taquicardias paroxísticas (curtos circuitos no coração), vias acessórias (Wolf-Parkinson-White), taquicardia atrial, flutter e fibrilação atrial. A fibrilação atrial é bastante frequente na prática clínica. Trata-se de uma alteração no ritmo cardíaco caracterizada por contrações rápidas e não coordenadas dos átrios, que atinge boa parte da população, especialmente na terceira idade.

Nos ventrículos, a mais frequente é a extra-sístole, batida anormal que se assemelha a uma falha ou tranco no coração, que geralmente não necessita tratamento. Já a taquicardia ventricular pode, em algumas situações, prejudicar o funcionamento do coração, resultando em sensação de batedeira, tontura e até desmaios, requerendo atendimento imediato. Em casos extremos ela pode levar à parada cardíaca e morte cardíaca súbita. Boa parte desses casos poderiam ser evitados se fossem diagnosticados precocemente.

Causas

Boa parte das arritmias não tem uma causa bem definida, sendo algumas de nascença. Outras são decorrentes de problemas no músculo do coração, como infarto, insuficiência cardíaca ou doença de Chagas. Doenças nas válvulas do coração também costumam cursar com arritmias.

O ritmo das batidas do coração também pode ser modificado pelo uso de medicamentos ou por condições como disfunção da tireóide, anemia, desidratação, infecções, estresse, atividade física e ansiedade.

Sintomas

Os principais são palpitações, fraqueza, tonturas, sudorese, desmaios, confusão mental, falta de ar, mal-estar e sensação de peso no peito. Mas é importante lembrar que muitas arritmias não provocam quaisquer sintomas.

Em casos de fibrilação atrial e flutter atrial, a arritmia pode levar à formação de coágulos no coração, provocando derrames (AVC). Já as taquicardias ventriculares malignas podem comprometer a função cardíaca levando à morte súbita. Nesses casos, o atendimento médico imediato é fundamental.

Diagnóstico

Primeiramente é feita uma avaliação clínica, exame físico e eletrocardiograma. Em alguns casos é preciso uma investigação mais detalhada, como o teste ergométrico, o Holter - que registra o batimento cardíaco do paciente em suas atividades cotidianas 24 horas por dia, ou o Web-Loop, chamado monitor de eventos, capaz de transmitir o traçado eletrocardiográfico, por meio da internet, no momento do sintoma. Em casos de desmaio, pode ser necessário o tilt test ou teste da mesa inclinada.

Quando não é possível identificar o problema por esses métodos não invasivos, a opção é o estudo eletrofisiológico, que é o cateterismo cardíaco específico para avaliar os distúrbios do ritmo cardíaco. Nesse exame, cateteres com eletrodos são inseridos no coração pela veia localizada na virilha para que seja feito o diagnóstico e localização do foco de origem da arritmia.

Tratamento

Muitas arritmias não necessitam tratamento. Dependendo do tipo e intensidade da arritmia, pode ser necessário o uso de medicamentos, além de mudanças no estilo de vida. A reversão de algumas arritmias, como o flutter atrial, pode requerer a aplicação de um choque no tórax (cardioversão elétrica), procedimento que é feito sob sedação e, muitas vezes, em nível ambulatorial. Em alguns casos de taquicardia (aceleração do coração), a realização da ablação por cateter é muito efetiva e muitas vezes curativa. Essa técnica consiste na cauterização do foco da arritmia durante o estudo eletrofisiológico.

Nos casos de bradicardias (coração lento), os marca-passos – equipamentos que emitem impulsos elétricos para corrigir falhas no ritmo dos batimentos – podem ser implantados embaixo da pele oferecendo excelente controle do ritmo cardíaco. Atualmente, esses aparelhos são muito pequenos, não comprometendo o estilo de vida do paciente.

Já nos pacientes com taquicardia ventricular grave (com risco de morte), pode ser implantado um marca-passo especial chamado desfibrilador automático, que faz a detecção do ritmo cardíaco alterado e libera um choque ressuscitador que corrige a pulsação.

Existem também marcapassos especiais que auxiliam no tratamento de algumas formas de insuficiência cardíaca (corações enfraquecidos), chamados de ressincronizadores. Nessas circunstâncias, o coração não bombeia sangue adequadamente porque a contração do músculo ocorre de maneira desorganizada. O marcapasso ajuda a corrigir esse distúrbio (dissincronia).

Prevenção

Além da prática de exercícios físicos e alimentação balanceada (baixa ingestão de sal e gorduras), é essencial a avaliação médica regular (check-up) e o controle de fatores de risco de doenças como diabetes, obesidade, hipertensão e tabagismo.